• Mika Youtien - Centro Educacional

A Tecnologia e a Infância


A criança já nasceu sabendo usar o tablet?

No mundo de hoje, é muito comum vermos crianças tão novas já utilizando tablets e smartphones. As vezes, descobrem como aquele novo tablet funciona até mesmo antes do adulto descobrir. A frase que escutamos muito: “Parece que a criança já nasceu sabendo como usar”. Algo que na época de infância para quem tem 30 anos de idade hoje, era algo “de filme” ter ou até mesmo saber usar este tipo de aparato.

Em 2014, a AVG Technologies Uma realizou uma pesquisa com famílias de todo o mundo e o resultado é impressionante: 66% das crianças entre 3 e 5 anos de idade conseguiam usar jogos de computador, 47% sabiam como usar um smartphone, porém somente 14% conseguiam amarrar os sapatos sozinha.

Alguns se justificam de que hoje é importante saber trabalhar com as novas tecnologias desde cedo e acabam deixando as crianças livres para usar os equipamentos da forma que quiserem.

Mas veja a cena que é cada vez mais frequente: pais ligando o tablet com desenhos infantis em frente ao bebê enquanto fazem refeição "em paz" por alguns minutos. Ele fica hipnotizadodentro do carrinho de bebê enquanto assiste ao desenho. Ao crescer, ela não vai também prestar atenção no que está consumindo nas refeições.

Vale introduzir a eletrônica tão cedo na vida do filho? Ele não poderia se ocupar com outros passatempos? Você acha que terá o direito de dar bronca quando seu filho anos mais tarde venha a ficar horas à frente da TV como foi ensinado logo quando ele era pequenininho? Isto pode causar problemas às crianças e também para a família toda.

A tecnologia é benéfica se for bem usada. Porém, se deixar a total liberdade de uso pelas crianças, elas podem se tornar reféns de aplicativos eletrônicos.

A terapeuta Cris Rowan defende que o uso de tecnologia por menores de 12 anos é prejudicial ao desenvolvimento e aprendizado infantis: a superexposição aos aparatos eletrônicos está relacionada ao déficit de atenção, atrasos cognitivos, dificuldades de aprendizagem, impulsividade e problemas em lidar com sentimentos como a raiva, além da obesidade (por distanciamento da atividade física), privação de sono (uso de tecnologias dentro do quarto) e o risco de dependência por tecnologia.

Uma criança que não desenvolve a relação interpessoal pode se tornar um indivíduo inseguro e despreparado para enfrentar pressões, provocações e situações adversas. É IMPORTANTE manter o diálogo e investir em atividades familiares e sociais (como a interatividade com os colegas da creche ou da escola). Isto faz uma grande diferença para a formação da criança como um ser.

Seja um exemplo!

A primeira coisa que os pais devem fazer é se perceber se eles mesmos não estão usando demais os aparatos elêtronicos. Não adianta nada impor regras aos filhos e dar mau exemplo.

A infância é um momento único! Passe mais tempo com seus filhos: conversando (não vale ser pelo smartphone), brincando de forma interativa, veja-os crescerem! Aproveite cada fase deles, pois de nada adianta depois dizer “Poderia ter passado mais tempo com meu filho naquela época”.

Viva o presente com seus filhos! Fonte: Sempre Família - semprefamilia.com.br Guia do bebê - guiadobebe.uol.com.br


69 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo